Pesquisar este blog

Carregando...

Estar aos Seus pes como Maria (Lucas 10:38-42)

O “homem de dores”, que raras vezes pôde beber um pouco de água como nos diz o Salmo 110:7 — “Beberá do ribeiro no caminho” —, isolado como estava, sem ter onde repousar sua cabeça, tinha em Betânia sua “casa” terrestre. Do mesmo modo ele não tinha ali também aqueles a quem chamava de “minha mãe e meus irmãos”, sua verdadeira família, mas os que escutavam a palavra de Deus e a cumpriam (Lucas 8:21). Sem dúvida alguma, os três anfitriões de Betânia também faziam parte “dos seus que estavam no mundo”, amados no passado, no presente e até o fim (João 13:1). Seu amor era conhecido ali — “...aquele a quem amas está enfermo” — e apreciado individualmente — “...Jesus amava Marta e sua irmã e a Lázaro” — e ali encontrava o retorno a que tinha direito.

Anulamos, pois, a lei pela fe'?

Uma passagem que traz alguma dificuldade para o leitor é o último versículo do capítulo 3 de Romanos. Isto porque existe uma espécie de consenso religioso de que a Lei, dada por intermédio de Moisés, seria uma espécie de manual de como se viver para merecer a salvação. O que nem todos percebem é que a Lei é como uma placa de contra-mão: ela indica que você está na direção errada mas não tem qualquer poder de manobrar seu enorme caminhão entalado numa rua estreita. Selecionei alguns comentários de autores que explicam esta passagem e deixam muito claro o papel da Lei e da fé na salvação do homem. Como alguém disse, afirmar que Paulo estaria anulando a Lei por causa da fé seria o mesmo que "a semeadura de um campo demonstrar que o arado foi usado em vão" (F. W. Grant). 

O que fazer agora que entendi onde e como congregar? - Paul Froese

Você se separou do sistema religioso criado pelos homens por desejar estar congregado somente ao nome do Senhor. É importante que o objetivo não é “congregar conosco”, mas com o Senhor e onde ele colocou o seu nome, ou seja, sua autoridade. “Dos outros, porém, ninguém ousava ajuntar-se a eles; mas o povo tinha-os em grande estima. E a multidão dos que criam no Senhor, tanto homens como mulheres, crescia cada vez mais.” (At 5:13-14). Em outras palavras, o objetivo não é você ajuntar-se a nós, mas é o Senhor quem faz a obra de ajuntar e é a ele que ele próprio ajunta. “Porque quem não é contra nós, é por nós... Quem não é comigo é contra mim; e quem comigo não ajunta, espalha.” (Mc 9:40; Mt 12:30). Repare que existe nestes versículos uma clara distinção entre os termos “nós” e “comigo”.

Espiritual, Piedoso ou Carnal - John Kulp

A Palavra de Deus apresenta muitos adjetivos para descrever os diversos estados espirituais em que os crentes são encontrados caminhando por este mundo. É maravilhoso vislumbrar o futuro quando crentes de todas as idades estarão com o Senhor Jesus e como Ele — o Salvador de Suas almas — quando o que é perfeito virá e o que é imperfeito desaparecerá (1 Coríntios 13:10). Mas na prática, aqui e agora, os crentes precisam crescer espiritualmente e devem progredir em suas almas. Consequentemente muitos de nós seremos, em algum momento da vida, caracterizados por diferentes graus de carnalidade, piedade e espiritualidade.

So' uma vida, que logo vai passar - Charles T. Studd

Só uma vida, que logo vai passar
So o que for pra Cristo irá ficar.
(Poema por C. T. Studd)

Um dia escutei duas linhas, nada mais,
Enquanto viajava ocupado numa vida falaz;
Aquilo, ao coração, trouxe certeza presente,
E nunca mais sairia do pensar de minha mente;
Só uma vida, que logo vai passar
Só o que for pra Cristo irá ficar.

O que acontecera' com filhos de incredulos no Arrebatamento? - Bruce Anstey

Será que as crianças, filhas de incrédulos, seriam levadas no Arrebatamento para serem poupadas da Grande Tribulação? Por ser a Grande Tribulação um período tão terrível, muitos acreditam que Deus não permitirá que as crianças venham a passar por ela. Essas pessoas acham que todas as crianças serão tiradas do mundo quando a Igreja for levada no Arrebatamento. Seu argumento é que todas as crianças estão sob o abrigo do sangue.

Participantes da Natureza Divina - 2 Pedro 1 - W. T. P. Wolston

O grande cuidado que o apóstolo tem para escrever pela segunda vez a estes crentes hebreus dando-lhes instruções a respeito de seu andar, e advertindo-os dos males que viriam, é uma prova clara de que ele não contava com uma continuação da ordem apostólica. O tema geral da carta e seus detalhes também excluem tal pensamento. Certamente, no segundo capítulo, foi mostrado o estado terrível que estava previsto, e então, que Deus julgaria todo aquele cenário.

A Lei de Cristo - E. Dennett

"Levai as cargas uns dos outros, e assim cumprireis a lei de Cristo" Gálatas 6:2

A única questão a ser considerada nesta passagem é quanto ao significado da "Lei de Cristo". Costuma-se dizer que esta seria a lei do amor, o que é verdade, mas será que não podemos ser mais precisos? O versículo que vem antes exorta aquele que é espiritual a restaurar um irmão que caiu, "olhando por ti mesmo, para que não sejas também tentado." (Gl 6:1). Entendemos que isto nos fala do homem espiritual que, ciente de sua própria tendência de cair, deve agir com toda a mansidão para com aquele que foi "surpreendido nalguma ofensa", e em graça se identifica com a condição do outro ao tomar sobre si a sua carga de pecado e dor, tendo em vista o seu socorro e restauração. Ora, isto é exatamente o que o próprio Cristo fez — só que de forma perfeita — tanto em vida quanto na morte.

Ismael e Maalate

A história de Ismael é um desses raios dourados da graça de Deus ocultos ao leitor casual. Sabemos pouco de Ismael. Ele tinha, talvez, quinze ou dezesseis anos, quando zombou de seu irmão Isaque e por isso ele e sua mãe foram expulsos da casa de seu pai para se transformarem em andarilhos sedentos. Você se lembra do desespero de Agar e de como ela lançou o menino debaixo de um arbusto, e sentou-se defronte dele a uma boa distância e disse: "Que eu não veja morrer o menino. E assentou-se em frente, e levantou a sua voz, e chorou." (Gn 21:16).

A Autoridade Divina Delegada 'a Assembleia - R. Guillen

“Em verdade vos digo que tudo o que ligardes na terra será ligado no céu, e tudo o que desligardes na terra será desligado no céu”. Mt. 18:18

Não há nenhuma dúvida que o assunto da autoridade da Assembleia local, para ligar e desligar em nome do Senhor Jesus Cristo, representa o poder mais alto e extraordinário que lhe foi concedido e confiado. Tal autoridade foi delegada e garantida pelo próprio Senhor Jesus Cristo para ser exercida em Seu nome e em Seu lugar. E como a Assembleia possui tão nobre e elevado privilégio, isso por sua vez, compromete sua maior responsabilidade, pois embora tenha todo o poder de exercer essa autoridade de sua competência, existe a grande necessidade de administrá-la em temor e dependência do Senhor, e no âmbito de esfera própria em que tal autoridade foi delegada.

Postagens populares